Publicidade

Saiba mais sobre recuperação de lesões no Futebol








O crescimento da atividade futebolística produziu um aumento no número das lesões traumáticas graves. O joelho, por sua condição de articulação altamente solicitada e exposta a traumas, é freqüentemente lesado, sendo a rotura do ligamento cruzado anterior uma das lesões mais comuns. A evolução natural das lesões ligamentares pode afetar a prática do esporte competitivo e o correto diagnóstico e tratamento destas lesões podem proporcionar um retorno do atleta ao seu nível prévio de atividade.


Quando temos uma lesão do jogador de futebol, houve qualquer dano físico durante a prática desportiva, seja em treino ou competição.

Os tipos de lesões mais frequentes nestes jogadores são os entorses articulares, contusões e luxações.

Localização das lesões

A grande maioria das lesões é de natureza leve a moderada, sendo que as mais comuns são:

1- Lesões no coxa: o estiramento dos músculos isquiotibiais é a lesão mais comum nestes casos, seguido pela lesão do quadríceps.

2- Lesão no joelho: uma das causas mais comuns é a ruptura do ligamento cruzado anterior; Outras lesões frequentes são a ruptura parcial ou total do menisco e restantes ligamentos.

3- Lesão no tornozelo: as entorses do tornozelo são comuns nestes desportistas, considerando a necessidade da movimentação rápida do futebol.

As lesões de gravidade leve são aquelas que obrigam a um breve período de afastamento da prática, uma semana no máximo. As lesões de gravidade moderada levam a uma interrupção entre uma a quatro semanas. Lesões mais graves são aquelas que implicam paragens superiores a um mês.

Tratamento

O tratamento das lesões desportivas varia com o tipo e o grau de lesão. Esse tratamento pode conter uso de medicamentos, tratamento fisioterapêutico ou em casos mais graves tratamento cirúrgico.

Saiba mais sobre o processo de recuperação:

1. A fase inicial consiste em recorrer à proteção, repouso, gelo, compressão e elevação da zona afetada; Explicação: Nesta fase pretende-se diminuir o sangramento, a lesão dos tecidos, a dor e a resposta inflamatória.

2. Numa fase posterior, inicia-se a mobilização, dentro do limite confortável e sem dor; Explicação: provocar um aumento da vascularização à região lesada, promover a regeneração correcta das fibras musculares.

3. Na fase seguinte, inicia-se o fortalecimento muscular; Explicação: os exercícios devem ser gradualmente introduzidos, aumentando a intensidade conforme a tolerância do indivíduo.

4. A última fase é aquela em que o futebolista inicia a sua atividade desportiva. Nesta fase, o jogador executa exercícios específicos do desporto em causa.

Explicação: os exercícios excêntricos nesta fase, permitem o aumento do ganho de força.

O retorno à actividade física habitual irá processar-se caso se verifique: ausência da dor, controle neuromuscular, flexibilidade e força semelhante ao lado não lesado.

Grande parte das lesões ocorre devido a treino efectuado de forma incorrecta, nomeadamente, pelo aquecimento inadequado, intensidade e duração do treino, excesso de treino. Este fator gera fadiga muscular, processos inflamatórios, que muitas vezes são a causa das lesões. Para que o organismo do jogador recupere destes fenómenos de agressão mecânica e metabólica, torna-se essencial períodos de repouso, como medida profilática para a prevenção de lesões.

4 materiais para você estudar sobre futebol:




Você não pode perder:

Ebook Gratuito: Passe no Futebol
Receba primeiro os posts deste Blog
Grupos de Whatsapp sobre Esportes




Comente:

Nenhum comentário